quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

o Meu primeiro Grande Amor



Depois disto:
http://dosmeussaltosaltos.blogspot.com/2009/12/magia-do-primeiro-amor.html

O desafio está feito...

Ando há uns dias com este "desafio" no pensamento, decidi escrevê-lo hoje!

O meu primeiro amor. O meu primeiro grande amor.
Não digo o nome dele, porque não acho necessário.
Era um rapazinho engraçado, moreno, olhos castanhos, algumas sardas, se bem me recordo, que com o tempo desapareceram. Simpático e atrevido. Aquele rapaz que todas as miúdas querem. Aquele rapaz que desejamos quando estamos a dormir, quando estamos acordados, quando estamos na praia com milhares de gatos e é AQUELE que queremos.
Aquele que nos deixa de olhos em bico. Aquele que nos deixa noites inteiras acordadas. Aquele que sorri e nós caímos para o lado. Eu tinha apenas 11 anos e ele 13. Era um miúdo interessante. (ou é, porque ainda (bem) se encontra entre nós) Era simples e o seu olhar transpirava sensualidade! Era mágico estar com eles, todos aqueles momentos. Até mesmo um simples passeio de bicicleta se tornava numa coisa mágica! Soube recentemente que ele também sentia alguma coisa por mim! (ou pelo menos disse que sim!) Um amor não correspondido! Como tantos outros. Mas mesmo assim, MUITO IMPORTANTE e ESPECIAL!!!!

Ainda hoje somos grandes amigos. MESMO. Talvez um dia os nossos caminhos se cruzem...

De sempre, para sempre... Ele foi o meu grande amor. É recordado com carinho e saudade!!

Depois houve uma pessoa muito importante, que me levou a descobrir de novo o que era amar a serio.
Essa fase foi linda mas passou. Nós pensávamos que tínhamos sido feitos um para o outro, que nada mais importava no mundo além do amor que existia entre nós, achavamos que era um amor para toda a vida... Só que tudo isto se desfez aos poucos. Nós crescemos juntos, descobrimos o sexo juntos, amamos e odiamos juntos, sofremos com as ausências, ansiamos os encontros, lutamos contra as inúmeras tentações, fizemos planos, sonhamos com o futuro juntos... Até que olhamos um para o outro e percebemos que alguma coisa ficou pelo caminho.

Não foi por mal, não foi por querer, mas já não conseguimos resgatar o que se perdeu. Nós talvez ainda sentiamos que nos amavamos, mas não sabiamos mais porquê que estavamos juntos. E doeu. Foi um vazio arrasador que tomou conta de nós, conta de mim. Conversamos, na tentativa de entender o que se estava a passar. Tentámos de novo e de novo. Choramos. Ninguém pôde amenizar essa dor. Ninguém pode ajudar quando se trata do fim de um primeiro amor. Um primeiro amor correspondido.



3 comentários:

Norieta, Mãe e Mulher disse...

Um livro Diana é isso mesmo que deverias editar porque o teu blog é fantástico admiro imenso tudo o que escreves!
Esse teu primeiro grande amor correspondido é um sortudo sem saber dar valor á tua pessoa...
Ás vezes só damos o verdadeiro valor quando já perdemos,e quando nos apercebemos é tarde demais!

Cátia disse...

ai linda, o primeiro amor é sempre mágico, puro, lindo...
O meu foi assim... Guardo-o sempre no meu coração...
Beijinhos

Marilena' disse...

Lindo *